Caminhos do Guamá

12 a 13/06/2004 | São Miguel do Guamá/PA

PATROCINADORES DESTE EVENTO

O Guamá é um dos mais importantes rios das cercanias de Belém. Nossa expedição de junho teve como objetivo margear este rio, até a cidade de São Miguel do Guamá, para dali rumarmos para o pernoite no Hotel Fazenda Cachoeira, na cidade de Ourém. Na manhã de sábado, o comboio formado por 11 veículos reuniu-se no Posto Azulino, localizado na 25 de setembro esquina da Antonio Baena, para partir às 8 horas da manhã. Seguimos pela BR-316 até Benevides, onde saimos do asfalto para uma estrada de piçarra que nos levaria para as margens do Rio Guamá. Ewerton Jr, que liderava o comboio, nos levou para um agradável e empoeirado passeio pelos ramais de Benevides, sem que conseguissemos alcançar o rio por ali. Tivemos de voltar à rodovia para entrar na estrada de Bujaru. Ali, finalmente conseguimos localizar o ramal que nos levaria a margear o rio. Passamos por locais bonitos, mas a estrada seca levantava muita poeira, tornando a viagem cansativa. Foram poucos trechos com pequenas poças de água.

O único contra-tempo que tivemos nesta etapa, foi uma rebeldia promovida pela autônoma Nave, a Toyota do Humberto Diou, que parecendo não estar feliz com o piloto, o golpeou com um limpador de parabrisas, provocando-lhe um corte em um dos dedos da mão. Nada que o kit de primeiros do socorros do JCP e a habilidade de Rogério Politi não resolvesse. Fora isso, dificuldade zero até chegarmos em São Miguel do Guamá, onde paramos para almoçar na Churrascaria do Ceará por volta de 15 horas. Após o almoço, seguimos para Ourém, chegando no Hotel Fazenda Cachoeira por volta das 19 horas. Este hotel foi construído a partir de uma mina de brita desativada, localizada ao lado de uma cachoeira natural. Um lugar bonito que vale a pena ser visitado, oferecendo uma estrutura razoável para quem gosta de brincar na água. Pernoitamos e aproveitamos a manhã de domingo, curtindo os atrativos do hotel. Lá tivemos a surpresa da chegada de Lúcio Barros, que em companhia de sua mulher, Graça, e sua filha Dayanne, passou a integrar o comboio.

Por volta das 14 horas do domingo, saímos para voltar a Belém. Logo na saída do hotel, o CJ5 do Tavinho apresentou uma falhadeira no motor. Resolvido o problema, entramos em um ramal que passa ao lado de um laranjal, onde encontramos um trecho de aproximadamente 200 metros de água e lama. Sem oferecer maiores dificuldades, mas o bastante para animar a galera. 3 km adiante chegamos ao asfalto, por onde seguimos até chegar em Belém, por volta das 20 horas. Esta foi uma trilha bastante leve, sem grandes dificuldades. No entanto, o que vale mesmo é o espírito de companheirismo que encontramos nestes momentos.

Este evento teve a participação de 10 jipes, pilotados por 6 sócios e 4 convidados, com a companhia de 10 zequinhas.
Piloto Zequinhas Veículo
Diou Adriana, Márcia Diou, Neto Nave - Toyota Bandeirantes
Gilberto Duelo Edi, Grégory, Carol
Hérycles Yuri Pathifa - Nissan Pathfinder
Tavinho Alcina
Rogério Politi Marcello Pit Bull - Jeep Willys CJ5
Ewerton Thays
Convidados
Barral
Murilo
Marcelino
Vasconcelos Esperança Patchanga - Toyota Hilux

FOTOS DESTE EVENTO